FIC – Clube de Anfitriões de Hogwarts

CAP 08.1 – O sol, a praia e o Clube Anfitrião

– Então, o sul? – perguntaram os gêmeos em coro olhando para a paisagem de mar calmo esverdeado que se perdia no horizonte em um perfeito dia magicamente preparado para ser próprio ao banho de praia.

– Por que a praia da Família Payton estava disponível. – informou Lloyd feliz olhando para a paisagem sem saber escolher por onde começar.

– É lindo, neh? – perguntou Honey feliz, colocando sua já famosa bóia de plástico.

– Mas – insistiram os gêmeos – já que íamos para algum lugar, tipo, porque não-.

– Caribe? – Earl.

– Brasil? – Eain.

– Claro. – Payton concordou, terminando suas anotações em sua prancheta e a fazendo desaparecer com um gesto – Só teríamos que deixar a Michael, já que ela não tem permissão do Ministério para sair do país.

– Obrigada pela consideração. – Michael ¬¬.

***

 Em um conjunto de pedras – lugar propício para uma bela vista do mar e de toda a extensão da praia –, duas figuras abraçadas suspiram enquanto observam o céu azul:

– É lindo, sir Lloyd. – comentou a menina, encantada com o momento – Ficar a sós com você e olhar o mar… é como um sonho.

– Não é um sonho, princesa. – ele respondeu em tom doce – Se fosse como eu queria, desejaria aparecer nos seus sonhos hoje a noite.

(LAP vomitando arco-íris)

– Aaaaah, sir Lloyd! – a menina se derrete.

Enquanto isso na praia ali próximo:

– Ok, seu tempo acabou princesa! – informou Payton para a menina sentada com o Rei Anfitrião nas pedras, enquanto coordenava a fila das meninas que aguardavam a sua vez para estar com Lloyd – Próxima, se aproxime para a sua vez.

Um pouco mais afastado:

Os gêmeos jogavam vôlei com duas meninas, mas a grande bola coloria foi rebatida para longe por um deles:

– Vá com calma, Earl! – Eain brigou com o irmão, enquanto saia para buscar a bola.

– Desculpa! – pedia Earl, correndo também – Vou pegar!

E assim iniciaram um pega-pega entre irmãos para o delírio das princesas fãs dos gêmeos, enquanto a bola ia para longe sem ninguém para buscá-la.

Perto de onde os gêmeos corriam, embaixo de um guarda-sol:

– Por quê? – Michael se lamentava, abraçando os joelhos, vestindo um agasalho e um shorts, com a desculpa de que não podia sair para o sol, enquanto observava Honey e Aldrich fazendo alongamento na areai. para poderem entrar no mar, junto com um grupo de princesas  – Por que o Clube de Anfitriões está funcionando na praia?

– Não vai entrar no mar, sir Milligan? – perguntou uma menina, porta-voz de um trio que estavam curiosas sobre o anfitrião novato não participar de nenhuma atividade.

– Ah, eu gosto mais de ficar olhando para o mar. – Michael usou a desculpa ensaiada.

– Então, – uma delas foi rápida – estaria tudo bem em nos sentarmos com você?

– Por quê? Vocês estão vestindo roupas de banho tão bonitas, vão em frente e nadem.

– Aaaaaah! – elas felizes com o elogio da forma natural.

Logo atrás de Michael, os gêmeos sentam na areia, cansados, e olham para a movimentação em roda:

– Fomos completamente enganados. – Earl.

– Quem  pensaria que teríamos clientes conosco? – Eain.

– É um bônus para as nossas melhores clientes. – comentou Payton aparatando atrás deles e ajeitando os seus óculos, usando o seu típico tom formal de ameaça do secretário do Clube Anfitrião – Portanto, cumpram sua função.

– Mas, não é justo! – reclamaram os dois – Com convidados a Michael não pode vestir roupas de banho!

– Foi tudo planejado! – anunciou Lloyd, terminando seu trabalho e vindo dar uma pausa em uma cadeira de praia perto deles – Ou pensaram mesmo que eu deixaria minha queridinha exposta aos olhos de inescrupulosos como vocês?!

(LAP: As verdadeiras cenas que se passaram na cabeça de Lloyd sobre Michael na praia, narradas por ele mesmo:

E ao por do sol, Michael e eu daremos um passeio, só nós dois ao longo da costa. E ela para na minha frente, com a brisa do mar agitando seus cabelos curtos e fazendo esvoaçar seu vestido branco, dizendo: quem dera pudermos ficar aqui para sempre, mestre! E então ela sorri daquela maneira adorável.

– Por que ele está vermelho se contorcendo dessa maneira? – perguntou Michael, se aproximando do grupo de anfitriões que davam uma pausa das suas atividades.

– É a mente inescrupulosa dele se manifestando. – responderam os gêmeos.

***

Como já não tinha mais desculpas para se esquivar das princesas que queriam saber o motivo para não participar com os outros das atividades do Clube, Michael resolveu passear pela praia. Foi quando viu Honey sentado na areia acenando feliz enquanto Aldrich verificava a base de uma parede de rochas ao lado dele:

– MIIIIICKY! – o veterano fazia sinal para que ela viesse até eles – Vamos recolher mariscos?!

Michael olhou para o balde rosa ao lado dele, com alguns mariscos, e então o corrigiu:

– Não se diz recolher, Honey. Se diz caçar mariscos. Afinal, eles não ficam simplesmente andando pela praia esperando que sejam recolhidos. – um caranguejo enorme passou ao lado de Michael, e parou aos seus pés esperando para ser recolhido – O quê?! – ela olhou em volta e se viu cercada por outros mariscos fazendo a mesma coisa – Eeeeeh?!… Um balde! Eu preciso de um balde! Um bem grande! – ela pediu desesperada para Honey, começando imediatamente a recolher mariscos junto com ele.

Enquanto isso, Aldrich havia escalado a muralha de pedras, e se deparara com um batalhão de aurores fazendo trabalho em equipe para tirar baldes e mais baldes de mariscos de um contêiner e os enfeitiçando para que fossem gentilmente em direção a praia onde poderia facilmente ser recolhidos.

– Eles queriam se redimir com o Honey. – contou Payton, aparatando ao lado de Aldrich, e marcando como feita uma tarefa da sua prancheta – Pelo incidente da outra vez…

– Hum… – fez Aldrich em resposta.

– YAY! – Honey comemorou lá embaixo – Somos recolhedores de mariscos incríveis!

– Vamos ter uma linda noite com tanta comida, hein?! – Michael cantarolou feliz, colocando mais um balde repleto de mariscos junto com os outros doze que ela já havia enchido – Vai ser delicioso!

– O que está acontecendo aqui? – Lloyd aparada ao lado de Aldrich e Payton, vindo conferir o que seus súditos estavam fazendo.

– Mestre! – Michael o chamou acenando, exibindo orgulhosa o resultado da sua quase-pescaria – Conseguimos o jantar para hoje!

– Conseguiu, minha garotinha linda?! – Lloyd saltou das pedras não se importando em derrubar Payton e Aldrich no processo.

– Hum-hum! – ela concordou com um aceno, arrastando mais um balde completo – Temos um monte de mariscos!

As exclamações de Lloyd e Michael foram altas o bastante para ecoar pela parede de pedras e chamar a atenção dos outros na praia, que se aproximaram para conferir o grande feito.

– Teremos um grande banquete, mestre! – disse Michael, entregando um caranguejo enorme para Lloyd como prova do seu feito.

Se aproveitando da oportunidade para fazer Michael sorrir daquela forma natural que só ela conseguia, perguntou:

– E você gosta de comer caranguejo, Michael?

– Adoro! 😀

– AAAAAAH!!! – Lloyd foi segurado a tempo pelos gêmeos e por Aldrich – Deixa eu apertar as bochechas dela! Só uma vez! Deixa!

Mas então algo assustador aconteceu.

Uma centopéia gigante que estava escondida entre as patas do caranguejo saiu do seu esconderijo tentando fugir daquela multidão de pessoas e causou a maior confusão entre as meninas que assistiam a cena:

– GAAAAH!

– UM MONSTRO!

– SOCORRO!

Sem nenhum momento duvidar da sua capacidade e coragem, Michael largou o balde que segurava, pegou a centopéia com a própria mão e a arremessou para o outro lado das pedras.

– Pronto. – ela disse, batendo a areia das mãos para concluir o trabalho bem feito.

E as meninas rompem em aplausos

– Ei, Michael. – os gêmeos foram para perto dela cochichar, enquanto sorriam para as princesas que comentavam entre elas como sir Milligan era corajoso e másculo.

– Por mais que nos doa pensar que você é uma moleca suja de terra familiarizada com insetos de todos os tipos – Earl.

– Não poderia ter se livrado do bicho de uma forma mais gentil? – Eain.

– Não se preocupem. Seria preciso muito mais do que isso para matá-lo.

– Esse não é exatamente o ponto… – gêmeos em um muxoxo, enquanto Michael era levada para longe pelas meninas que ainda comentavam a forma como ela salvou a todos do terrível inseto.

– Garotas normalmente deveriam agir diferente… – eles concluíram o pensamento, mesmo que a garota em questão já não estivesse ouvindo.

– É como se ela não tivesse medo de nada… – comentou Lloyd, que prudentemente se aproximara para verificar o que os gêmeos inescrupulosos estavam confabulando com a sua filha.

Com a teoria de Lloyd, os gêmeos imediatamente tiveram uma idéia, e trocaram olhares de quem iria aprontar.

– Mestre! Mestre! Pensamos em uma brincadeira divertida! – anunciaram – Chamamos de O grande vencedor será quem descobrir a fraqueza da Michael!

– Isso me soa muito mal O.õ – Lloyd.

– É, não seria um bom jogo. – Earl, com tom falso de quem desiste.

– Afinal, Michael só mostraria a sua verdadeira fraqueza para uma pessoa que ela considerasse digna de saber. – ajudou Eain.

– GAH! – Lloyd.

(LAP: Completamente fisgado! o/)

– Quais são as regras?! – o loiro exigiu saber.

– O prazo é até o por do sol de amanhã! – explicaram os gêmeos com sorrisos de vitoriosos.

– Para tornar as coisas mais interessantes, – Payton apareceu entre eles segurando o que pareciam ser fotos na mão – vou propor um prêmio para o vencedor.

– GAH! – gêmeos e Lloyd vendo que as fotos eram todas de Michael antes de elafreqüentar Hogwarts, com cabelos longos e com roupas de menina.

(LAP: Completamente fisgados! \o/)

– Yay! Podemos brincar também?! – perguntou um sorridente Honey, apontando para ele e para o primo.

– Podem. – declarou Payton, tentando manter as fotos fora do alcance do rei que tentava pegá-las a qualquer custo.

– Como você tem essas fotos, Naoki?

– Tenho minhas fontes. – ele revelou, fazendo as fotos desaparecem com um gesto rápido de varinha, e ajeitando os óculos que escorregavam.

– Miiiichael! – chorou Lloyd, como se a verdadeira tivesse sumido junto com as fotos.

– Começamos… agora?. – perguntou Payton com um sorriso satisfeito.

FIC – Clube de Anfitriões de Hogwarts

CAP 08.1 – O sol, a praia e o Clube Anfitrião

– Então, o sul? – perguntaram os gêmeos em coro olhando para a paisagem de mar calmo esverdeado que se perdia no horizonte em um perfeito dia magicamente preparado para ser próprio ao banho de praia.

– Por que a praia da Família Payton estava disponível. – informou Lloyd feliz olhando para a paisagem sem saber escolher por onde começar.

– É lindo, neh? – perguntou Honey feliz, colocando sua já famosa bóia de plástico.

– Mas – insistiram os gêmeos – já que vamos para algum lugar, tipo…

– Caribe? – Earl.

– Brasil? – Eain.

– Claro. – Payton concordou, terminando suas anotações em sua prancheta e a fazendo desaparecer com um gesto – Só teríamos que deixar a Michael, já que ela não tem permissão do Ministério para sair do país.

– Obrigada pela consideração. – Michael ¬¬.

***

 Em um conjunto de pedras, em um lugar propício para uma bela vista do mar e de toda a extensão da praia, duas figuras abraçadas suspiram enquanto observam o céu azul:

– É lindo, sir Lloyd. – comenta a menina, encantada com o momento – Ficar a sós com você e olhar o mar, é como um sonho.

– Não é um sonho, princesa. – ele responde em tom doce – Se fosse como eu queria, desejaria aparecer nos seus sonhos hoje a noite.

(LAP vomitando arco-íris)

– Aaaaah, sir Lloyd! – a menina se derrete.

Enquanto isso na praia ali próximo:

– Ok, seu tempo acabou princesa! – informou Payton para a menina sentada com o Rei Anfitrião nas pedras, enquanto coordenava a fila das meninas que aguardavam a sua vez para estar com Lloyd – Próxima, se aproxime para a sua vez.

Um pouco mais afastado:

Os gêmeos jogam vôlei com duas meninas, mas a grande bola coloria é rebatida para longe por Hikaru:

– Vá com calma, Earl! – Eain brigou com o irmão, enquanto saia para buscar a bola.

– Desculpa! – pedia Earl, correndo também – Vou pegar!

E assim iniciavam um pega-pega entre irmãos para o delírio das princesas fãs dos gêmeos, enquanto a bola ia para longe sem ninguém para buscá-la.

Perto de onde os gêmeos corriam, embaixo de um guarda-sol:

– Por quê? – Michael se lamentava, abraçando os joelhos, vestindo um agasalho e um shorts, com a desculpa de que não podia sair para o sol, enquanto observava Honey e Aldrich fazendo alongamento na areai junto com um grupo de princesas para poderem entrar no mar  – Por que o Clube de Anfitriões está funcionando na praia?

– Não vai entrar no mar, sir Milligan? – perguntou uma menina, porta-voz de um trio que estavam curiosas sobre o anfitrião que não estava participando de nenhuma atividade.

– Ah, eu gosto mais de ficar olhando para o mar. – Michael usou a desculpa ensaiada.

– Então, – uma delas foi rápida – estaria tudo bem em nos sentarmos com você?

– Por quê? Vocês estão vestindo roupas de banho tão bonitas, vão em frente e nadem.

– Aaaaaah! – elas felizes com o elogio da forma natural do anfitrião novato.

Logo atrás de Michael, os gêmeos sentam na areia cansados e olham para a movimentação em roda:

– Fomos completamente enganados. – Earl.

– Quem teria pensado que teríamos clientes conosco? – Eain.

– É um bônus para as nossas melhores clientes. – comentou Payton aparatando atrás deles e ajeitando os seus óculos, usando o seu típico tom formal de ameaça do secretário do Clube Anfitrião – Portanto, cumpram sua função.

– Mas, não é justo! – reclamaram os dois – Com convidados a Michael não pode vestir roupas de banho!

– Foi tudo planejado! – anunciou Lloyd, terminando seu trabalho e vindo dar uma pausa em uma cadeira de praia perto deles – Ou pensaram mesmo que eu deixaria minha queridinha exposta aos olhos de inescrupulosos como vocês?!

(LAP: As verdadeiras cenas que se passaram na cabeça de Lloyd sobre Michael na praia, narradas por ele mesmo:

E ao por do sol, Michael e eu daremos um passeio, só nós dois ao longo da costa. E ela para na minha frente, com a brisa do mar agitando seus cabelos curtos e fazendo esvoaçar seu vestido brando, dizendo: quem dera pudermos ficar aqui para sempre, mestre! E então ela sorri daquela maneira adorável.

– Por quê ele está vermelho se contorcendo dessa maneira? – perguntou Michael, se aproximando do grupo de anfitriões que davam uma pausa das suas atividades.

– É a mente inescrupulosa dele se manifestando. – responderam os gêmeos.

***

Como já não tinha mais desculpas para se esquivar das princesas que queriam saber porque não participava com os outros das atividades do Clube, Michael resolveu passear pela praia. Foi quando ela viu Honey sentado na areia acenando feliz enquanto Aldrich verificava a base de uma parede de rochas ao lado dele:

– MIIIIICKY! – o veterano fazia sinal para que ela viesse até eles – Vamos recolher mariscos?!

Michael olhou para o balde rosa ao lado dele, com alguns mariscos, e então o corrigiu:

– Não se diz recolher, Honey. Se diz caçar mariscos. Afinal, eles não ficam simplesmente andando pela praia esperando que sejam recolhidos. – um caranguejo enorme passou ao lado de Michael, e parou aos seus pés esperando para ser recolhido – O quê?! – ela olhou em volta e se viu cercada por outros mariscos fazendo a mesma coisa – Eeeeeh?!… Me empresta um balde! – ela pediu desesperada para Honey, começando imediatamente a recolher mariscos junto com ele.

Enquanto isso, Aldrich havia escalado a muralha de pedras, e se deparara com um batalhão de aurores fazendo trabalho em equipe para tirar baldes e mais baldes de mariscos de um contêiner e os enfeitiçando para que fossem gentilmente em direção a praia onde poderia facilmente ser recolhidos.

– Eles queriam se redimir com o Honey. – contou Payton, aparatando ao lado de Aldrich, e marcando como feita uma tarefa da sua prancheta – Pelo incidente da outra vez…

– Hum… – fez Aldrich em resposta.

– YAY! – Honey comemorou lá embaixo – Somos recolhedores de mariscos incríveis!

– Vamos ter uma linda noite com tanta comida, hein?! – Michael cantarolou feliz, colocando mais um balde repleto de mariscos junto com os outros doze que ela já havia enchido – Vai ser delicioso!

– O que está acontecendo aqui? – Lloyd aparada ao lado de Aldrich e Payton, vindo conferir o que seus súditos estavam fazendo.

– Mestre! – Michael o chamou acenando, exibindo orgulhosa o resultado da sua quase-pescaria – Conseguimos o jantar para hoje!

– Conseguiu, minha garotinha linda?! – Lloyd saltou das pedras não se importando em derrubar Payton e Aldrich no processo.

– Hum! – ela concordou com um aceno, arrastando mais um balde completo – Temos um monte de mariscos!

As exclamações de Lloyd e Michael foram altas o bastante para ecoar pela parede de pedras e chamar a atenção dos outros na praia, que se aproximaram para conferir o grande feito.

– Teremos um grande banquete, mestre! – disse Michael, entregando um caranguejo enorme para Lloyd como prova do seu feito.

Lloyd, se aproveitando da oportunidade para fazer Michael sorrir daquela forma natural que só ela conseguia, perguntou:

– E você gosta de comer caranguejo, Michael?

– Adoro! xD

– AAAAAAH!!! – Lloyd foi segurado a tempo pelos gêmeos e por Aldrich – Deixa eu apertar as bochechas dela! Só uma vez! Deixa!

Mas então algo assustador aconteceu.

Uma centopéia gigante que estava escondida entre as patas do caranguejo saiu do seu esconderijo tentando fugir daquela multidão de pessoas e causou a maior confusão entre as meninas que assistiam a cena:

– GAAAAH!

– UM MONSTRO!

– SOCORRO!

Sem nenhum momento duvidar da sua capacidade e coragem, Michael largou o balde que segurava, pegou a centopéia com a própria Mao e a arremessou para o outro lado das pedras.

– Pronto. – ela disse, batendo a areia das mãos para concluir o trabalho bem feito.

E as meninas rompem em aplausos

– Ei, Michael. – os gêmeos foram para perto dela cochichar, enquanto sorriam para as princesas que comentavam entre elas como sir Milligan era corajoso e másculo.

– Por mais que me doa pensar que você é uma moleca suja de terra familiarizada com insetos de todos os tipos – Earl.

– Não poderia ter se livrado do bicho de uma forma mais gentil? – Eain.

– Não se preocupem. Seria preciso muito mais do que isso para matá-lo.

– Esse não é exatamente o ponto… – gêmeos em um muxoxo, enquanto Michael era levada para longe pelas meninas que ainda comentavam a forma como ela salvo a todos do terrível inseto.

– Garotas normalmente deveriam agir diferente… – eles concluíram o pensamento, mesmo que a garota em questão já não estivesse ouvindo.

– É como se ela não tivesse medo de nada… – comentou Lloyd, que prudentemente se aproximara para verificar o que os gêmeos inescrupulosos estavam confabulando com a sua filha.

Com a teoria de Lloyd, os gêmeos imediatamente tiveram uma idéia, e trocaram olhares de quem iria aprontar.

– Mestre! Mestre! Pensamos em uma brincadeira divertida! – anunciaram – Chamamos de O grande vencedor será quem descobrir a fraqueza da Michael!

– Isso me soa muito mal O.õ – Lloyd.

– É, não seria um bom jogo. – Earl, com tom falso de quem desiste.

– Afinal, ela só mostraria a sua verdadeira fraqueza para uma pessoa que ela considerasse digna de saber. – ajudou Eain.

– GAH! – Lloyd.

(LAP: Completamente fisgado! o/)

– Quais são as regras?! – o loiro exigiu saber.

– O prazo é até o por do sol de amanhã! – explicaram os gêmeos com sorrisos de vitoriosos.

– Para tornar as coisas mais interessantes, – Payton apareceu entre eles segurando o que pareciam ser fotos na mão – vou propor um prêmio para o vencedor.

– GAH! – gêmeos e Lloyd vendo que as fotos eram todas de Michael antes de freqüentar Hogwarts, com cabelos longos e com roupas de menina.

(LAP: Completamente fisgados! \o/)

– Yay! Podemos brincar também?! – perguntou um sorridente Honey, apontando para ele e para o primo.

– Podem. – declarou Payton, tentando manter as fotos fora do alcance do rei que tentava pegá-las a qualquer custo.

– Como você tem essas fotos, Naoki?

– Tenho minhas fontes. – ele revelou, fazendo as fotos desaparecem com um gesto rápido de varinha, e ajeitando os óculos que escorregavam.

– Miiiichael! – chorou Lloyd, como se a verdadeira tivesse sumido junto com as fotos.

– Começamos… agora? – perguntou Payton com um sorriso satisfeito.

FIC – Clube de Anfitriões de Hogwarts

CAP 08.0 – Como o dia de estudo de Michael simplesmente desapareceu

 

– Praia. – foi a única coisa que Michael conseguiu pronunciar diante de tudo o que aconteceu e que a colocara naquele exato lugar.

O sol nunca esteve tão bonito, ela nunca vira uma areia tão branca e um mar tão calmo e perfeito para receber banhistas. Ela respirou fundo diante daquele cenário inacreditável e tentou lembrar exatamente como tinha parado naquele lugar.

***

Tudo começara naquela manhã de sábado, quando ela achava que teria um dia inteiro para poder estudar, longe das atividades do Clube Anfitrião, aproveitando a sala silenciosa do clube. Mas todos os seus planos foram aniquilados quando os gêmeos a cercaram com uma proposta descabida:

– Como assim praia?

– Sim, praia! – eles responderão com sorrisos enormes, como se fosse a coisa mais mágica do – Você tinha dito! – lembrou Earl.

– Que não se importava de ir em uma praia de verdade. – Eain completou.

– Eu disse? – ela tentou se fazer de desentendida, voltando a olhar para o seu livro.

– Sim, disse!  E até separamos até opções de biquínis da nova linha de verão da nossa mãe para você.

Com estalos de dedos, eles conjuraram dezenas de manequins com biquínis.

– Não são bunitinhas? – eles perguntaram mostrando as variedades.

– Eu acho esse aqui bonitinho! – Honey deu sua opinião apontando para um maiô cor de rosa que mais parecia um vestido repleto de babados – Ficaria bem na Michael!

– Não, não, não. Você não entende nada, Honey. – os gêmeos o cortaram – Sendo uma encarnação de uma tábua, ela até pode usar esse dom para se passar por um menino no nosso Clube Anfitrião. Mas fazêla usar algo mais usado nessa região certamente a faria chorar.

– Ei ‘¬¬ – Michael.

(LAP: RENCARNAÇÃO DE TÁBUA!!! AHAHAHAAHAHAHAHAHAAAAA)

Sem se importarem com o olhar mortal da colega, os gêmeos continuaram defendendo seu ponto de vista:

– Levando em consideração a auto-estima da Michael, separamos essa roupa, escolhida especialmente para encobrir esse problema!

Eles apresentam um manequim em que a parte de cima do biquíni era repleto de camadas que disfarçaram qualquer volume com estilo.

– COMO OUSAM CONTINUAR USANDO APELOS COM A MINHA PRECIOSA FILHA?! – Finalmente Lloyd saiu de suas divagações sobre ver Michael com roupa de banho e tomou uma posição, com um gesto de varinha fazendo todos os manequins voarem pela janela.

– Então não vamos para a praia? – gêmeos.

– Quem disse que não?! – Lloyd.

– Ah! Então você quer ir! – gêmeos.

– Claro que quero! – Lloyd.

– Aposto que ele está morrendo de vontade de ver a Michael de biquíni. – Earl murmurando para o irmão.

– Sim, e não quer nós deixar ver. – Eain murmurando para o irmão.

– ESTOU OUVINDO VOCÊS! – Lloyd.

– Posso levar meu coelhinho? – Honey perguntou para Aldrich, mostrando seu coelhinho escondendo as orelhas em uma touca de banho.

– Hum. – Aldrich concordou.

– YAY! – Honey.

– Vamos mesmo para a praia? – Michael perguntou suspirando, já desistindo de estudar no meio daquela bagunça.

– Chega de discutir! Payton, chame a carruagem! – o Rei Anfitrião oficializou a decisão – O Clube Anfitrião vai para a praia!

FIC – Clube de Anfitriões de Hogwarts

CAP 06.5 – A Elite

– Além de ter vários centros de treinamento, a família de Honey instrui os próprios aurores em todo o mundo. – Payton continuou sua explicação, mesmo que Michael o encarasse com um ar totalmente perdido – Em particular, Honey foi o primeiro a ser chamado de Guerreiro Feroz na família Haywood. Ele já foi campeão nacional de duelos e até de esportes trouxas, como karatê e judô, do qual se tornou especialista.

Michael, ainda sem reação definida, olhou para o Honey: um menino mirrado que parecia estar em seus nove anos, sorrindo alegremente para ela.

(LAP: Isso aí é campeão de karatê e judô?)

– E o Aldrich também não só é campeão de duelos como é de esgrima!

Michael olhou para Aldrich, o que lhe exigiu levantar a cabeça, e o anfitrião apenas retribuiu o olhar com a sua forma séria.

(LAP: Campeão duelos e de esgrima… Mas esse tem cara!)

Sem poder fazer nada diante daquela realidade complicada de entender, Michael deu um suspiro cansado e deixou cair os ombros desanimada.

– Como veio parar aqui, Honey? – perguntou Earl curioso, já que no momento vamos esclarecer a Michael havia terminado.

– Fui até o final do lago e voltei! – ele contou feliz, como se tivesse feito algo muito divertido.

– Podem ir embora, pessoal! – Payton dispensou os aurores, e estes saíram mancando e gemendo, alguns se arrastando e outros ajudando os feridos e desacordados.

– Muito bem, Theo! – Honey puxou Aldrich pelo braço para que ele ficasse mais baixo, e deu tapinhas de ‘bom trabalho’ na sua cabeça – Foi incrível você ajudar a Michael! Não ficou sozinho mesmo eu não estando por perto, bom menino.

Aldrich se limitou a aceitar os elogios e olhar de relance para Michael, dizendo:

– É.

– Bom menino!

(LAP: … Alguma dúvida de quem é o mais novo e o mais velho aqui?)  

***

– Aaaahhhaaa! – Earl se espreguiçou e comentou com o irmão enquanto eles voltavam para área dos vestiários do lago – Da próxima vez devemos ir em uma praia de verdade, mesmo que tenha crocodilos.

– Uma praia de verdade seria uma boa ideia. – ponderou Eain.

– Idiotas, Michael não está interessada em praias. – afirmou Lloyd confiante.

– Não me importo de ir para a praia. – declarou Michael.

Todos olharam para ela.

– Não gosto desses lugares obviamente artificiais, mas as praias inglesas de verdade são legais. – Lloyd ficou alerta com essa nova informação sobre os gostos da sua aprendiz – A paisagens das praias do sul são bonitas…

– Ceeeeerto! – exclamou o rei assustando a todos, fazendo a sua típica pose de soberano adorado do mundo inteiro – Está decidido! Vamos para as praias do sul! – e então imediatamente começou a sua pesquisa de contentamento dos membros com a ideia – Vamos, não vamos? Vai ser divertido! Tem o mar, o vento, a areia, as pedras! Tudo de verdade!

Michael observou os meninos indo na sua frente, cada um dando uma ideia para o novo passeio e não pôde deixar de sorrir. Apesar de aquele ser um estranho clube com estranhos membros, estar com eles já não era de todo ruim.

***

Prévia do próximo capítulo:

Loyd (resmungando): PorquetivequebrigarcomaMichaellogoagoraquefomosparaapraia?
Michael (brava): Achei que não ia mais falar comigo, mestre.
LAP: Próximo capítulo PRAIA, SOL E O CLUBE DE ANFITRIÕES
Lloyd (chorando): Michaaaaaaael! Não fica brava comigo!

FIC – Clube de Anfitriões de Hogwarts

CAP 06.3 – Clube Anfitrião ao resgate!

– Bárbara? – perguntou Michael, reconhecendo a voz, mas não sabendo para onde olhar em busca da colega.

Logo as palmeiras atrás deles começaram a tombar enquanto um grande palco giratório subia e papéis picados coloridos eram jogados para todos os lados junto com fumaça e faíscas, ao som de Abracadabra.  (LAP: Se dança assim, ó.)

– Esse efeito existe em todo o canto? O.o – Michael.

(LAP: Não subestime o poder de uma escritora de fics, personagem!)

– Que roupa é essa, Bárbara? O.O – gêmeo.

– Minha mais nova criação! – explicou ela, fazendo pose, se exibindo em um biquíni preto, usando havaianas e um gorro na cabeça – Cosplay de uma das personagens mais mitológicas de fanfics!

– Quem? – gêmeos.

– Não deu para notar? – ela mostrou as havaianas e apontou para o gorro – Hermione da Ledo Engano! – e então ela contou para ninguém em especial com os olhinhos brilhando – Dessa vez eu venço o Desafio de Cosplay do EP!

(LAP: CUMA?! O.O Vc vai para o EP disso?!… Thi-chan, cancela a inscrição da moça!)

– Quem é essa? – Earl perguntou para Lloyd, o líder que supostamente deveria saber dessas coisas que as clientes do Clube gostavam.

– Não faço ideia. – Lloyd encolhendo os ombros.

(LAP: Nem queiram saber…)

Porém, outro detalhe lampejou diante dos gêmeos, e eles não perderam a oportunidade:

– Veja, mestre. – Earl, apontando para Bárbara que ria contente e satisfeita se imaginando recebendo o primeiro lugar no Desafio do EP – Uma menina com pouca roupa.

– Não tem problema? – Eain.

Lloyd lançou um olhar avaliador para Bárbara e então concluiu:

– É um cosplay. Pode.

(LAP: Pode, é? O.õ)

– De qualquer modo! – Bárbara voltando a realidade, toda autoritária, apontando para Michael – Seu conhecimento sobre Oliver Haywood é limitado, anfitrião novato! Observe!

A gerente apontou para um área ali perto, onde Honey saiu correndo com a sua boia de coelhinhos e pulou de um trampolim muito alto, caindo como uma bomba na água gritando:

– OLHA THEOOOOOO!

Aldrich apenas sorriu para ele, atento, enquanto o pequeno anfitrião passava pela frente do grupo sorrindo e acenando, sendo levado pela correnteza:

– Vivaaaaa! \o/

– O que quer dizer? – perguntou Lloyd, entrando para o lado dos confusos onde estava Michael.

– Extamente como ele disse, é bonitinho! Claramente nada a ver com inocência!

– A frase está incompleta. – disse Payton, ajeitando seus óculos e iluminando os amigos com um pouco da sua daisabedoria que permitiu entender a situação desde o primeiro momento – Ele queria dizer EU fico mais bonitinho.

– Aaaaah! – gêmeos, Lloyd e Michael entedendo.

(LAP: Nada a ver com inocência. Honey é um anfitrião extremamente calculista xD)

– Muito impressionante, Sir Haywood! – Bárbara bateu palmas – Após ter sua posição de garotinho do Clube ameaçada, você está mostrando sinais de evolução! Muito bem! – e rindo satisfeita, o palco giratória começa a se mover ao contrário, desaparecendo do cenário junto com a sua ocupante – Mudei de ideia sobre você agora, Sir Haywood! Muito, muito astuto!

E o palco some por completo, fazendo tudo voltar ao normal.

– … – Michael, diante do desfecho da cena, tentando entender o que foi aquela aparição da gerente do Clube.

– Ei, pessoal! Olhem pra mim! – Honey chamou alegremente.

Os Anfitriões viraram e se depararam com o anfitrião lolito acenando feliz enquanto era carregado por Aldrich, que nadava contra a correnteza.

– Olha! Não estamos saindo do lugar, mesmo nadando tão forte!

– … – Anfitriões.

(LAP:…)

– Indecifrável… – Foi tudo o que Michael conseguiu dizer da cena.

– É mesmo, não é, Michael? – Lloyd brotanto atrás dela, tentando recuperar os pontos perdidos com a história do biquini – Eu penso quGAAAAH! – ele foi atingido por um jato de água no rosto – O QUE PENSAM QUE ESTÃO FAZENDO?!

– Guerra de água, mestre. – responderam os gêmeos, como se fosse óbvio.

– Eain e eu contra você, mestre! – Earl.

– Ganha quem conseguir acertar mais!

– Ah! – Lloyd cruzou os braços, fazendo pose de adulto – Que participa de um jogo tão infantil?

Um lampejo de diabrura passou nos olhos dos gêmeos, e eles agarraram a desprevenida Michael (que tentava escapar de fininho para não ser incluída no grupo), e começaram a dançar em volta dela, dizendo:

– Michael! Que tal casar com a gente? – Earl.

– Aí você vai poder usar biquinis! – Eain.

Lloyd mudou de atitude imediatamente e impunhou sua varinha, dizendo em tom ameaçador:

– Nunca deixarei minha linda Michael ser noiva de vocês! O PAPAI NÃO PERMITIRÁ!

E os três sairam correndo em uma guerra de água.

Com um suspiro, Michael voltou para a sombra do guarda-sol e se sentou, pegando um copo de suco. Logo Aldrich se juntou a ela, batendo em um lado da cabeça para tirar a água, enquanto observava Honey nadando com sua boia contra a correnteza. (LAP: versão eu consigo sozinho o/)

– Fazendo uma pausa? – ela perguntou para o colega, lhe oferecendo um dos copos de suco que eles tinham a disposição.

– Sim. – ele respondeu de forma simples, aceitando o copo.

Atrás deles o trio do pega-pega corria e se atiravam jatos de água, usando os arbustos e os totens como barricadas para se protegerem.

– Tomem isso! – Lloyd saiu correndo de trás do totem, avançando em um ataque e então se lança verticalmente em uma elabora acrobacia – TOMEM ESSA, SEUS GÊMEOS PERVERTIDOS!

Mas os gêmeos se protegem com uma barreira mágica, que reverte o jato e atinge o rei.

– Trapaça! Trapaça! Foi trapaça! – reclamou Lloyd, esfregando os olhos depois de ter rolando espetacularmente pelo chão – Não podem criar barreiras!

– Quem disse? – gêmeos.

– É uma questão de cavalheirismos! Será que vocês nunca aprendem?! – e ele tentou se levantar, mas no meio do caminho derrapou em alguma coisa (LAP: a casca de banana que os gêmeos largaram por lá acidentalmente), e saiu deslizando até bater de cara em um totem.

No mesmo instante, uma sirene soou por todo o lugar, e um leve tremor foi sentido.

– O que é isso? – Michael ficou de pé, olhando em volta assustada.

No mesmo  instante, ela ouve o barulho de um copo caindo ao seu lado, e o se virar vê Aldrich correndo em direção a água. Foi quando todos perceberam de onde vinha o tremor: uma onda gigante estava sendo criada e avançava rapidamente pelo lago, arrastando tudo pela frente. E quem estava justo no caminho dessa onda era Honey.

Há poucos metros de alcançar a água, Aldrich escorrega em alguma coisa (LAP: casca de banana again…)  e cai de cara no chão, espalhando areia para todos os lados.

Na água, bem na sua frente, o indefeso Honey e sua boia d ecoelhinhos é lançado para longe, e desaparece.

– Sir Aldrich! – Michael, a que estava mais perto, foi a primeira que chegou para ajudar o colega – Está tudo bem?

Mas ele não respondeu, continuou estirado no chão, olhando diretamente par ao ponto onde Honey havia desaparecido.

– Anfitriões! – Lloyd, chegando até eles junto com os demais, imediatamente começa a agir como um rei e ordena – Vamos atrás do Honey! – ele olha em volta avaliando o lugar, e indicou um caminho a direita deles, que tinha uma ponte de madeira que levava a uma outra margem de praia – Ali, deve ser um atalho! Vamos lá!

E todos os anfitriões seguem seu rei para a ponte.

E todos os anfitriões voltam correndo com seu rei da ponte.

– POR QUE TEM CROCODILOS NADANDO ALI?! – Lloyd perguntou apavorado para o seu secretário.

– É a área dos animais tropicais. – explicou Payton, como se não fosse nada de mais, anotando em sua prancheta – Mas acho que criar crocodilos é perigoso afinal… Bem, parece que o botão de criação de ondas gigantes também precisa ser mudado… Preciso repassar essas informações para o pessoal responsável. – então ele deixou a prancheta de lado um pouco e deu um sorriso amigável para os demais – E devo agradecê-los. Pude coletar informações importantes aqui.

– … – demais.

(LAP: Ah-ah! Cobaias!)

Percebendo a atmosfera pesada de irritação que o cercava, Payton pigarreou e então com um estalar de dedos fez aparecer ao seu lado um mapa de onde estavam.

– Essa é a nossa localização. – ele apontou – Precisamos passar pela área selvagem no bloco sul. A distância é de mais ou menos 800 metros em uma linha reta, mas podem haver obstáculos nesse percurso.

– Hum. – fez Michael, analisando atentamente o mapa onde haviam vários pontos de interrogação ao invés de nomes – Parece que essa área selvagem é repleta de lugares desconhecidos.

– Essa região ainda está em construção. – disse Payton, estalando os dedos mais uma vez e o mapa desapareceu em uma nuvem de fumaça.

– Por que tenho o pressentimento de que tem coisas perigosas naqueles pontos de interrogação? – Eain sussurrou para o irmão.

– Coisas piores do que crocodilos. – acrescentou Earl, parecendo estar sentindo um arrepiou só de pensar.

– Certo! – Loyd empolgado mais uma vez – Eis nosso plano, Anfitriões! Entraremos nessa área selvagem desconhecida munidos de coragem e salvaremos o Honey com nossas incríveis habilidades custe o que custar!

– Por que tenho um pressentimento ruim sobre isso? – Michael sussurrou para os gêmeos, se juntando a eles no grupinho dos que não tinham a mesma empolgação que seu líder.

FIC – Clube de Anfitriões de Hogwarts

CAP 06.2 – A novela do biquíni

– Micky! Micky! Micky! – Honey chegou pulando até Michael, com um sorriso enorme, agarrando a sua mão – Quer tomar água de coco? Quer comer bolo de manga?

Michael olhou para aqueles grandes olhos castanhos brilhantes e não teve coragem de dizer para ele o que queria de verdade.

(LAP: O que a Michael quer de verdade = ir para casa lavar roupa)

– Ahn… aceito água de coco.

– Yaaaaay! – ele saiu correndo com a sua boia para buscar o lanche.

Ela o viu correndo despreocupadamente, como se fosse uma criança em seu primeiro dia de férias na praia, se divertindo como nunca. E então outra coisa chamou a sua atenção: Aldrich estava atento a todos os movimentos de Honey. Por um momento uma pergunta ressoou em Michael, mas antes que ela pudesse compreender o sentido dela, percebeu que Aldrich a olhava diretamente. Ela se assustou e imediatamente se esqueceu de tudo o que começava a formular, e então o anfitrião selvagem apenas sorriu gentilmente para ela, e se afastou seguindo o mesmo caminho por onde Honey havia ido.

– Michael! – Earl surgiu atrás dela junto com o irmão, comendo bananas, e a convidou – Vamos no toboágua!

– Ei, porque ainda está de shorts e camiseta? – perguntou Eain – Onde está o seu biquini?

Michael tentou dar um sorriso que mais saiu como uma careta e tentou explicar:

– Anh, isso…

(LAP: Há pouco tempo atrás, na área do vestiário do parque…)

Os gêmeos trouxeram Michael arrastada da estrada de Hogwarts até a frente do vestiário feminino, onde duas elfas-domésticas exatamente iguais (com olhos violetas enormes, usando roupas de empregadas cheias de babados) aguardavam.

– Boa sorte com essa aqui! – eles entregaram Michael para as elfas.

– Sim, mestres! – elas se curvaram para eles, e então lançaram olhares sinistros para Michael, a puxando pelas mãos – Venha conosco, senhorita Michael Milligan.

– Ei, esperem! – a recém-sequestrada tentou escapar, mas foi impedida pelas elfas que conseguiram a levar facilmente, mesmo que ela se debatesse e usasse toda a sua força – Eeeeei!

Os gêmeos permaneceram aguardando do lado de fora e apenas ouviam os protestos de Michael vindos de lá de dentro. Logo esses protestos se calaram e foram substituídos por uma exclamação de surpresa.

– Trouxemos todas as novidades de roupas de banhos produzidas pela nossa mãe! – Contou Earl, adivinhando o que havia surpreendido a colega.

– Escolha o que preferir! – disse Eain.

– Esscolha o que preferir, mestra Milligan! – repetiram as elfas, solicitas.

– Nã-não, tudo bem. – Michael – Não preciso de roupas de banhos, eu-

– Então escolheremos um para a mestra! – declararam as elfas.

Nesse mesmo momento Lloyd saia do vestiário masculino, já devidademente com seu calção de banho e toalha, carregando no ombro o shorts e a camiseta que havia acabado de trocar, e a movimentação na cabana ao lado chamou sua atenção.

– O que estão fazendo? – ele perguntou para os gêmeos, se aproximando.

– Michael vai vestir um biquini.

– O QUÊ?! BIQUINI?! – ele correu para a porta do vestiário para poder ouvir melhor o que acontecia lá dentro.

– Pervertido! – gêmeos.

– Esse vai ficar bom na mestra! – a voz das elfas veio de lá de dentro do vestiário.

– Mas… mas são só umas cordinhas! – exclamou Michael, descrente.

No lado de fora, na porta, um Lloyd vermelho de indignação teve um ataque ao ouvir aquilo.

(LAP: No fim…)

Michael saiu do vestiário usando um maiô rosa muito parecido com o que ela lembrava de ter visto em um retrato muito antigo de uma tia-avô, que vinha acompanhado de touca e que tinha babados na cintura, e que fora a coisa mais ao oposto do biquini de cordinhas que ela pôde encontrar lá dentro.

Já que desde o começo não queria estar ali e não tinha intenção alguma de entrar na água, ela suspirou desanimada por ser obrigada a vestir aquilo contra a vontade. Porém, contrariar os gêmeos sendo que agora eles contavam com a ajuda daquelas elfas determinadas estava muito além de suas capacidades.

Divagando nesses pensamentos e criando coragem para aparecer na frente dos Anfitriões usando uma roupa de banho de menina (LAP: Michael, vc é uma menina.), ela quase trombou com alguém logo a sua frente.

Mesmo estando em sua mais digna pose de Rei Anfitrião, tentando olhar para um dos seus súditos com toda a realeza possível, Lloyd não conseguiu encarar Michael e apenas estendeu algo na sua frente, ordenando enquanto se concentrava em uma bananeira ao seu lado:

– Vista isso!

– Mestre? – Michael olhou para a camiseta e shorts que ele lhe entregava.

– Garotas só podem mostrar o seu corpo quando se casam! – ele declarou, falando firme.

(LAP: Voltando ao presente…)

– É que… – Michael tentando decidir se revelava ou não a ordem que receberam o líder e o motivo dele para tal ordem.

– Não sabe nadar? – perguntou Earl.

– Afunda como pedra? – tentou Eain.

– Nado como uma pessoa normal! – ela declarou, se sentido ofendida em suas capacidades não-mágicas.

(LAP: Nadar como uma pessoa normal = estilo cachorrinho \o/)

– Não estou interessada nesse lugar. – ela continuou – Ao invés de nadar, prefiro ir logo para casa. (LAP: heroína que só pensa em lavar roupa o/) Além do mais, para que todo esse exagero? Um parque inteiro?.. Uma piscina de plástico estava bom.

– Piscina de plástico? – os gêmeos entortaram as cabeças para um lado, sinalizando que aquela palavra era estranha para eles.

– É mais ou menos desse tamanho. – Michael, boazinha, tentou expandir o conhecimento plebeu dos gêmeos, explicando com gestos – Sabe, você enche de ar e depois coloca água dentro.

– Algo tão pequeno assim não pode ser uma piscina. – descordou Earl.

– Isso é um bote inflável. – declarou Eain muito certo do que dizia.

– É uma piscina sim. – teimou Michael – Serve para crianças se divertirem com água em dias quentes.

Antes que os gêmeos pudessem dizer que ela estava delirando e que aquilo não existia, assim como Papai Noel, Lloyd surgiu atrás dos gêmeos e os agarrou pelos pescoços, os levando para longe e cochichando com eles:

– Idiotas! Se a Michael acha que é uma piscina, então deixe ser uma piscina! Não insultem a sua limitada cultura plebeia!

(Michael: Agora sim me sinto ofendida…)

– Mas bote é um bote, mestre. – reclamou Earl.

– Devemos deixá-la acreditando em mentiras? – perguntou Eain.

– Apenas não a  corrijam! – Lloyd.

– A propósito, mestre. – começou Earl.

– Por que fez a Michael vestir as suas roupas? – terminou Eain.

Tudo o que o anfitrião rei fez foi se engasgar suspeitosamente.

– Normalmente você diria algo assim. – Eain abriu espaço para o irmão que começou a fazer uma imitação da maneira de Lloyd agir.

– Gaaaaah! – caindo sentado no chão, chorando e se debatendo como uma criança que teve a sua maior vontade negada – Quero ver a Michael de biquíni! Quero! Quero! Queeeeero!

(LAP: IGUALZINHO! xD)

– É um tanto surpreendente não o ver agindo dessa maneira, mestre. – concluiu Eain.

– Cla-claro que não é surpreendente! – Lloyd se defendendo – Eu não agiria assim!

Diante da evasiva do líder, os gêmeos compreenderam toda a situação e encontraram uma forma perfeita de atormentar Lloyd. Então ficaram bem perto e começaram a cochichar enquanto lançavam olhares para o loiro, que por sua vez começara a suar frio sabendo o que viria daquilo:

– Será que é o que estamos pensando? – Earl.

– Ele não quer que ninguém veja a Michael de biquíni. – Eain.

– Sim, ele provavelmente é um daqueles pervertidos que não querem que ninguém mais veja.- Earl.

– Que maldade! O que a Michael vai achar de saber disso?

– NÃO É NADA DISSO! – o rei tentou se explicar usando gestos desesperados – Só estou fazendo algo óbvio como um pai e guardião! Michael está sob a responsabilidade do Clube Anfitrião e eu como líder tenho que zelar pela integridade dela! Além do mais, mesmo de roupas de banhos, uma garota não deve mostrar seu corpo assim na frente de meninos!

Aquilo foi demais para os gêmeos, que caíram na gargalhada e apontaram para um ponto além do ombro de Lloyd. Sem entender, ele olhou para trás e se deparou com Michael ouvindo toda a conversa, e agora ela emanava uma aura pesada de irritação.

– Não preciso de dois pais… – foi tudo o que ela conseguiu pronunciar entre os dentes.

Porém, antes que toda aquela situação pudesse se tornar algo que arrasaria de forma permanente a autoestima de Lloyd, Honey surgiu em cena praticamente pulando em Michael e a convidando alegremente:

– Micky! Vamos brincar?! Tem ondas legais ali!

Michael respirou fundo e contou até dez, e então respondeu ao seu veterano calmamente:

– Não, não quero nadar hoje, Honey… – e então ela se atentou para algo – Não sabe nadar? Por que está usando boia?

– Hum-hum. – ele balançou a cabeça em sinal negativo, com um grande sorriso, balançando a boia em volta do corpo – Assim é mais bonitinho!

E ele mais uma vez sai correndo, deixando uma Michael confusa para trás:

– Bonitinho… Ah, por causa da estampa de coelhinhos! – ela achou que entendeu.

(LAP: E inocentemente Michael segue o mesmo caminho que as clientes de Honey…)

– Está ruim! Muito ruim!

Uma voz soou do além e todo o parque tremeu e uma música começou a tocar em volta.

(LAP: Lá vamos nós de novo…)

FIC – Clube de Anfitriões de Hogwarts

CAP 07.0 – Paraíso tropical 2, a aventura!

As ondas quebravam suavemente as margens do lago de águas límpidas, ao redor pássaros coloridos e barulhentos voavam de um lado para o outro cruzando o céu que se estendia em um azul infinito.

Diante dessa paisagem, e cercada pela mata naturalmente tropical, tudo que Michael consegui expressar do seu espanto eram palavras soltas:

– Isso… sonho… onde?… como?…

– Observe com atenção, querida Michael! – Lloyd surgira gesticulando atrás dela, solicito em tirá-la do seu estado de confusão, devidamente vestido com seu calção de banho como se estivesse de férias em uma praia nos trópicos – Não são belos esses pássaros? Estamos em uma região que geograficamente não poderia ter esse tipo de clima ou não poderia nos oferecer qualquer alternativa natural para tanto. Porém, com nossa extraordinária condição mágica, um pequeno lago gelado pode perfeitamente se tornar uma calorosa praia! E passar um tempo despreocupadamente assim é muito importante para pessoas como nós, que trabalham dia e noite… Michael?

– Onde é a saída? – Michael, já longe do loiro e suas explicações exageradas.

– Michael! – o rei anfitrião a buscou e a fez voltar para junto de todos embaixo de um guarda-sol roxo berrante, em uma cadeira de armar, e colocou nas suas mãos um copo colorido de limonada enfeitado com minis guarda-chuvas dançantes – Aproveite a oportunidade, aluna bolsista!

– Isso tudo é sem propósito e absurdamente inconsequente. – ela expressou sua opinião sincera – Então posso ir embora?

CAP 07.1 – Empreendimentos Payton

(sempre pensando no melhor para ofertar aos bruxos ricos quer não sabem mais como gastar seus galeões o/)

– Preciso estudar para os NOMs, tenho que lavar roupa e preciso preparar o jantar para o meu pai poder ir trabalhar. – reclamou Michael, tentando fazer com que os guarda-chuvas do seu copo parassem de jogar limonada em seu rosto – Além disso, onde fica esse lugar e como eu vim parar aqui?

(LAP: Naquele dia mais cedo, quando Michael andava pelo seu caminho de sempre rumo a Hogsmeade repassando mentalmente os deveres por fazer que lhe aguardavam em casa…)

A carruagem mais brilhante e pomposa que Michael já vira na vida brotou na pequena estrada diante dela, com um estalo no ar e faíscas douradas. Depois de quase a ter atropelado, a carruagem deu um giro completo, jogando barro nas suas vestes e parando bem na sua frente. Antes que ela pudesse o menos pensar em reclamar, a porta da carruagem se abriu e dois rostos conhecidos surgiram de lá de dentro, sorrindo de forma maléfica.

– Earl? Eain? O que estáEEI!

Os dois saltaram e a agarraram um em cada braço, a erguendo do chão de forma que ela não poderia escapar e nem se debater.

– Alvo capturado! – anunciaram para dentro da carruagem.

– Muito bem! – outra voz conhecida os elogiou lá de dentro e Michael pôde visualizar na penumbra da cabine um figura com óculos pretos, um colar de flores tropicais e mechas de cabelo loiro despontando do capuz que lhe cobria parcialmente o rosto.

– O que foi agora, mestre? – ela perguntou em um suspiro, prevendo que aquilo resultaria em algo totalmente bizarro.

– Levem-na! – ordenou Lloyd, sem se importar de ter sido descoberto em sua pequena atuação de sequestrador.

– Entendido! – os gêmeos bateram continência e a arrastaram para dentro da cabine.

– NÃÃÃO! – Michael – Eu tenho que ir para casa! Preciso lavar roupa!

(LAP: De volta a onde quer que seja que o Clube Anfitrião está…)

– Esse é um parque temático criado no lago de uma das propriedades da família Payton. – contou o secretário do Clube, não escondendo um certo tom de orgulho – O Jardim Tropical Acqua.

– Mas a sua família não era do ramo de hospitais, sir Payton? – Michael perguntou, desistindo da sua limonada e a abandonando na mesinha de montar ao seu lado.

– Bem, – ele ajeitou os óculos para começar o seu discurso-explicativo – gostamos de diversificar e atuar em vários negócios. Mas este lugar, de certa forma, faz parte do ramo de hospitais. Algumas pessoas sofrem estresse e se sentem sufocadas em nossa sociedade. Mesmo se quisessem relaxar em um lugar tropical, seria difícil fazer isso de uma maneira razoável já que existem poucos e disputados espaços assim, livres de trouxa e de restrições mágicas. Então esse lugar foi concebido para atender a esses tipos de bruxos, pessoas que querem recuperar suas energias em lugares tranquilos e pessoas que precisam relaxar. Nós, do Grupo Payton, sempre pensamos na felicidade das pessoas.

(LAP: Ah, claro, felicidade das pessoas, hum-hum…)

– Sei… – ela respondeu, desconfiando do meio sorriso suspeito dele.

Mas depois de saber disso ela começou a reparar em detalhes do lugar. Mesmo que os gêmeos estivessem ali perto na água fazendo a maior algazarra brincando com uma bola, se podia ouvir que havia um pequeno eco no lugar, indicando que era um espaço fechado. Gigante, mas fechado. O tempo frio ficara para fora e ali dentro era exatamente como se estivessem em uma praia de verdade, com direito a areia, palmeiras, cabanas com tetos de palha seca, totens indígenas, flores tropicais e pássaros que ela nem sabia que poderiam existir.  Apesar de toda a atmosfera e visual de praia, se podia perceber que ainda era um lago, já que, apesar das ondas, a água era represada  em vários pontos e se podia perceber uma correnteza.

– Ricos malditos… – ela  suspirou, diante da grandeza do que dinheiro e bruxos ricos de primeira ordem podem construir.

Um grito de alegria chamou a sua atenção e ela viu Honey brincando na água, com uma boia rosa de coelhinhos, sendo observado atentamente por Aldrich sentado na areia. Atrás deles haviam espaços construídos e determinados para o parque, por onde o lago se extendia, formando uma série de canais que serpenteavam se perdendo de vista. Também estavam cercados por uma mata tipicamente tropical, húmida e quente, que parecia assustadoramente perigosa, como se selvagens canibais pudessem pular de lá de dentro a qualquer momento e atacá-los.

– A inauguração será mês que vem. – Payton a tirou de seus pensamentos – Mas hoje o parque estará aberto para o Clube Anfitrião como convidados especiais.

– Aaaaah, que relaxante! – exclamou Lloyd feliz, estirado em uma cadeira, tomando banho de sol.

– Dessa vez não precisamos nos preocupar em agradar nossas clientes… É como se fosse um repouso para belos jovens soldados!

– Preciso lavar roupa… – Michael se lamentou mais uma vez.